TAG: Ed Sheeran Book

Olá, pessoas! Tudo bem?

Faz tempo que não posto nenhuma TAG por aqui, e esses tempos eu vi essa no blog Meu conto de fada e achei bem legal, apesar de não ser fã do Ed Sheeran e nem nada, e conhecer poucas músicas dele, gostei do tema porque envolve livros então resolvi postar por aqui também.

tag-Ed Sheeran Book

1) Take it Back: um livro que você se arrependeu de ter comprado

O único que me veio à cabeça foi Formaturas Infernais – Meg Cabot , Stephenie Meyer , Kim Harrison, Michele Faffe e Lauren Myracle

2) One: o primeiro livro que te marcou

Geralmente costumo dizer que o livro que me marcou foi De Abismos e Vertigens, da Carol Teixeira. Conheci a Carol em 2008 se eu não me engano e me encantei com o jeito dela e a simpatia. Quando descobri que ela havia lançado dois livros, comprei em seguida. O livro é bem simples, conta várias pequenas histórias sobre a vida dela e crônicas, mas foi por causa dele que criei o hábito da leitura. Por isso foi o que me marcou.

3) Kiss Me: um livro que tenha um personagem que você se apaixonou loucamente

Dúvida cruel! Mas escolho Noah, do Diário de uma paixão – Nicholas Sparks.

4) The A Team: um livro que faz parte do seu top 5 da vida

Quem, eu? Uma vó. um neto. uma lição de vida, do Fernando Aguzzoli.

5) The City: um livro que se passa em alguma cidade que você ama

Os Sete – André Vianco, se passa no Rio Grande do Sul, mas cita Porto Alegre se eu não me engano.

6) One Night: um livro que você virou a noite lendo

Qual Seu número? – Karyn Bosnak e Alice Clayton.

Um dos livros mais engraçados que li, super recomendo.

7) Let it Out: um livro que assim que acabou fez você sentir que precisava conversar com alguém sobre

Harry Potter, na verdade eu escolhi esse porque eu li em 2013 quando eu já tinha 20 anos. Minha melhor amiga sempre falou que eu deveria dar outra chance à série, já que na época que tentei ler não gostei (com 12 anos), então conforme eu ia terminando cada um dos livros, corria para conversar com ela sobre o que eu tinha achado.

8) You Break Me: um livro que te deixou bem mal

Acho que A Culpa é das estrelas, fiquei arrasada quando terminei a leitura.

9) Smile: um livro que te deixou bem feliz

Surpreendente!, do Maurício Gomyde.

10) I can’t spell: um livro ou autor que você não consegue pronunciar o nome.

Achei difícil, fiquei um tempo procurando entre os livros que tenho em casa, entre os que já li… Então acabei escolhendo o autor do Pequeno Príncipe – Antoine de Saint-Exupéry.

No blog dela não tinha regras e nem pessoas marcadas para responder também, então vou deixar aberto para quem gostar e quiser responder também hehehe.
Beijos

O que eu vou ler: Maio

Olá, pessoas! Como estão?

Eu sigo atolada de coisas para fazer, mas vou tentar não deixar o blog tanto tempo parado como ficou no início do mês.

Sei que já passamos da metade, mas como não deu tempo, acabei não postando as minhas leituras do mês. Novamente escolhi três livros, mas sinceramente nem sei se vou dar conta. Mas vou tentar.

Minha meta do mês de Abril foi alcançada mas as resenhas ainda não saíram. Conforme eu for conseguindo escrever, vou postando :).

o-que-eu-vou-ler-em-maio

Os livros escolhidos para Maio foram:

Como eu era antes de você

como eu era antes de vocêAos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Sua vidinha ainda inclui o trabalho como garçonete num café de sua pequena cidade – um emprego que não paga muito, mas ajuda com as despesas – e o namoro com Patrick, um triatleta que não parece muito interessado nela. Não que ela se importe.
Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor tem 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de ter sido atropelado por uma moto, o antes ativo e esportivo Will agora desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Sua vida parece sem sentido e dolorosa demais para ser levada adiante. Obstinado, ele planeja com cuidado uma forma de acabar com esse sofrimento. Só não esperava que Lou aparecesse e se empenhasse tanto para convencê-lo do contrário.
Uma comovente história sobre amor e família, Como eu era antes de você mostra, acima de tudo, a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.

O poder da ação

Acorde para os objetivos que quer conquistar.o poder da ação
Já aconteceu a você de se olhar no espelho e não gostar daqueles quilos a mais? De observar seu momento profissional somente com frustração? De se sentir desconectado dos seus familiares, dos seus amigos? Se você acha que essas são situações normais, pense de novo! Só porque isso acontece com várias pessoas não quer dizer que a vida deva ser assim. Só porque algo se torna comum, não significa que seja normal!
Neste livro, Paulo Vieira lhe convida a quebrar o ciclo vicioso e iniciar um caminho de realização. Para isso, ele apresenta o método responsável por impactar 250 mil pessoas ao longo de sua carreira – e que pode ser a chave para o que você tanto procura. No decorrer destas páginas, o autor lhe entrega uma bússola. E para conseguir se guiar por ela você terá de assumir um compromisso com a mudança. Preparado?
Aproveite todas as provocações e os desafios propostos nesta obra para conseguir, de fato, fazer o check-up completo sobre si mesmo. Acorde, creia, comunique, tenha foco, AJA! Pare de adiar sua vida e seja quem quer ser a partir de agora.
Não existe outra opção. E está em suas mãos reescrever seu futuro.

The Beatles Vs The Rolling Stones

the-beatles-vs-the-rolling-stones-a-grande-rivalidade-do-rock-n-rollHá meio século, todo e qualquer jovem que começa a desbravar o mundo do rock’n’roll, cedo ou tarde, chega a um impasse: Beatles ou Rolling Stones? Inicialmente insuflada pelas estratégias de marketing dos próprios grupos, a disputa acerca da supremacia no reino do rock faz parte do imaginário de gerações e gerações, acendendo calorosos debates.
E se fosse possível tirar a paixão do caminho? E se fosse promovida uma discussão objetiva, técnica, isenta? Isso permitiria chegar a uma conclusão definitiva?
Com esse ponto de partida, o livro The Beatles vs. The Rolling Stones: a grande rivalidade do rock’n’roll põe as bandas lado a lado num detalhado exame comparativo de cada um dos aspectos que as transformaram em lendas. Numa divertida série de “batalhas”, a obra põe em confronto os respectivos vocalistas, guitarristas, bateristas, baixistas, composições, discografias, caminhos criativos e até imagens públicas de Beatles e Stones. O livro é todo desenvolvido na forma de diálogos entre os autores Jim DeRogatis e Greg Kot.
Como não poderia deixar de ser, as divergências afloram como polêmica à medida que os autores mergulham nas minúcias do imaginário combate. Não se trata, porém, do embate entre um beatlemaníaco contra um stonemaníaco, mas, sim, do cruzamento de diferentes opiniões e julgamentos sobre as características de cada banda, com um sincero empenho apartidário por parte de cada autor.
Feito para entusiasmar (ou, às vezes, enfurecer) fãs de parte a parte, The Beatles vs. The Rolling Stones é sério candidato a item de colecionador, com sua riquíssima coleção de fotos e reproduções de capas de álbuns e cartazes de shows. Tudo isso acompanhado de muita informação extra.

Então essas são as minhas leituras desse mês. Já estou terminando O Poder da Ação e na metade do Como Eu era Antes de você, então espero que eu dê conta de terminar até o final do mês hehehe.

E vocês, já leram esses livros? Gostaram?

Beijos e boa semana à todos.

Resenha: Fazendo meu filme 4 – Fani em busca do final feliz

Olá, pessoas! Como estão?

Peço mil desculpas por ter sumido nas últimas duas semanas. Voltei a trabalhar no início do mês depois de terminar a recuperação da cirurgia, e estou mais atolada de coisas pra fazer do que eu esperava. Com isso não consegui parar para escrever 🙁 vou tentar me organizar mais e evitar que isso aconteça novamente.

Então hoje encerro as resenhas da Série Fazendo meu Filme, da Paula Pimenta, com o quarto livro: Fani em busca do final feliz.

Você pode ler a resenha do primeiro livro aqui, do segundo aqui e do terceiro aqui.

resenha-fazendo-meu-filme-4-fani-em-busca-do-final-feliz

Depois de toda a reviravolta no relacionamento de Fani e Leo, para fugir do sofrimento e de correr o risco de encontrar e lembrar dele em todos os cantos de Belo Horizonte, Fani decide aceitar a bolsa de estudos que Christian conseguiu para que ela estudasse Cinema em Los Angeles.

Cinco anos depois Fani se tornou cineastra e está terminando sua Pós Graduação em trilha sonora, sua vida está indo cada vez melhor nos Estados Unidos e as sombras do passado voltam cada vez com menos frequência. Mas ainda estão li, cutucando seus pensamentos vez ou outra.

Fani está namorando com Jeff, o dono da produtora de vídeo onde ela trabalha, porém o namoro é mais coisa da cabeça dele do que de fato uma realidade. Antes de trabalhar para Jeff ela fez estágio na Warner Bros.

Quando se mudou para Los Angeles Fani foi morar com sua irmã inglesa Tracy, mas alguns anos depois ela foi morar com seu namorado e Ana Elise, sua amiga de Brasília mas que também conheceu na Inglaterra ocupou o outro quarto da casa. Tracy, Christian, Ana, Fani e Alejandro se tornaram grandes amigos e inseparáveis.

Fani fez seu primeiro filme para o trabalho de conclusão da faculdade, que na verdade era um curta metragem. Seus professores gostaram tanto do roteiro que sugeriram que ela fizesse uma pós graduação para poder renovar seu visto e transformar o curta em longa. O filme de sua vida é inscrito em um festival de cinema e Fani foi uma das finalistas.

Mal sabe ela que sua vida está próxima de virar totalmente do avesso novamente.

Gente, eu me apaixonei por esse livro! Com toda certeza foi o meu preferido. Confesso que o fato de a Fani quase ter desistido de uma bolsa de Estudos nos EUA por causa do Leo me causou um pouco de raiva hahaha, mas eu achei sensacional. Fiquei morrendo de vontade de conhecer Los Angeles. O livro é todo bonitinho e podemos perceber o amadurecimento da personagem nesses anos que passaram. Super recomendo a leitura!

Frases do livro:

Rafiki: O passado pode machucar. Mas da forma como eu vejo, você pode ou correr dele ou aprender com ele. (O Rei Leão)

Enquanto eu caminhava para lá, fiquei tentando enxergar aquele aeroporto, aonde eu ia tanto, com os mesmo olhos da primeira vez. Eu já o havia considerado tão grande… Mas agora o mundo estava maior. Ou, talvez, não tenha sido ele o único a crescer. O crescimento maior certamente havia se dado em mim.

A vida aos poucos nos leva, sem pedir permissão, para longe de quem gostamos… Outras pessoas aparecem, o tempo fica cada vez mais curto – pois arrumamos cada vez mais tarefas -, e, de repente, percebemos que aquela pessoa ficou no passado…

Que bobagem! É obvio que eu nunca vou te esquecer. Mas pelo menos já consigo pensar em você sem ter vontade de arrancar o coração do peito. Acho que eu cheguei a um ponto bom. Em vez de tristeza eu começo a sentir saudade.

O amor mora dentro de você, e não fora! Cabe a você permitir que alguém o acenda!”

Gusteau: Você tem que ter imaginação e coração forte. Tentar coisas que podem não funcionar. E não pode deixar ninguém definir seus limites. Seu único limite é a sua alma. (Ratatouille)

Mão de gancho: Vá, viva o seu sonho!

Flynn Rider: Eu irei. (Enrolados)

Über-Morlock: Todos nós temos nossas maquinas do tempo, não é? Aquelas que nos levam de volta são as lembranças. E aquelas que nos impulsionam adiante são os sonhos. (A máquina do tempo).

Ele deu um sorrisinho, se levantou, e falou: “No pierdas tiempo. Besos primeiro, conversa depois. Quando duas personas pensam demais, no sobra espaço para La ação”, e em seguida se afastou.

 

Você pode comprar o livro nos sites:

Se preferir, você pode comprar o box completo nos sites:

Resenha: Fazendo meu filme 3 – O roteiro inesperado de Fani

Olá, pessoas! Todos bem?

Hoje é a vez do terceiro livro da Série Fazendo meu filme: O roteiro inesperado de Fani.

Você pode ler a resenha do primeiro livro aqui e do segundo aqui.

resenha-fazendo-meu-filme-3-o-roteiro-inesperado-de-fani

Fani está de volta ao Brasil, depois de passar um ano sofrido, mas ao mesmo tempo de muitas emoções na Inglaterra. Seu intercâmbio finalmente acabou. Agora ela e o Leo podem finalmente viver o amor deles.

Depois de descobrir que o namoro do Leo com a Marilu no ano anterior não passava de uma mentira para que ela não voltasse correndo da Inglaterra, Fani fica ansiosa para voltar e reencontrar seu amor. Logo os dois já engatam o namoro e passam por momentos muito legais juntos.

No meio de todos os acontecimentos, Leo descobre que havia passado em todos os vestibulares para Jornalismo no Rio de Janeiro, curso que era seu sonho, na cidade que sempre quis estudar. Mas ele resolve esconder isso de todos mentindo que não passou, e opta por estudar Administração (sonho de seu pai) em Belo Horizonte e não ficar longe da Fani.

Fani logo começa a estudar em um cursinho pré vestibular para fazer a prova no meio do ano. Seu grande sonho é estudar Cinema. Porém sua mãe quer que ela estude Direito. No meio de todo o estudo e a “correria” até o vestibular, Fani e Leo se viram nos 30 para conseguir passar alguns momentos juntos.

Os dois passam por altos e baixos no relacionamento por causa do ciúmes que Leo sente por Christian, o namorado que Fani teve na Inglaterra. Até que algo inesperado acontece e muda tudo. O destino prega uma grande peça e faz com que os dois tenham que tomar rumos totalmente diferentes do que haviam imaginado, e no meio de tanta dor, eles acabam seguindo seus sonhos.

Gostei bastante desse livro também. Mas lá pelas tantas confesso que ele ficou meio previsível. Porém mesmo que a parte previsível tenha realmente acontecido, vários outros acontecimentos legais apareceram e a “surpresa” foi bem legal, achei que deixou a história mais legal e me deixou mais empolgada para ler o próximo livro.

Frases do livro:

Ainda hoje, tanto tempo depois, quando tento me lembrar, meu coração ainda dói. Algumas cenas estão completamente nebulosas, como se a minha mente tivesse apagado certas partes, em uma vã tentativa de me preservar.

“Já dizia o imperador romano Julio César: ‘O que está fora da vista perturba mais a mente dos homens do que aquilo que pode ser visto”’.

“Meninas… cada pessoa tem o seu destino…”, ela falou olhando para nós três. “Ele é uma espécie de rio. O leito já está traçado. Mas o jeito de percorrê-lo, somos nós que decidimos”.

Pai de Sam: Nunca deixe que o medo de perder te impeça de jogar. (A nova Cinderela)

Christian: Estou ainda muito envolvido com Um Grito do passado, e a mensagem do filme é exatamente que “sempre devemos ter esperança, o passado pode trazer surpresas”. Quem sabe eu não tenho uma surpresa?

Aretha Robinson: Eu vou te ensinar como fazer algo uma vez. Eu vou te ajudar se você fracassar duas vezes. Mas, na terceira, você por sua conta. (Ray)

Ninguém vai a um enterro porque acha legal! A gente vai é para segurar a mão das pessoas que perderam seus entes queridos e dizer que tudo vai ficar bem, por mais que todo mundo saiba que nada vai melhorar tão cedo, que a dor vai custar a passar! Mas o fato da gente estar ali, para aquela pessoa, é importante. É como se a gente chegasse e dissesse: ‘Ei, você não está sozinha, vim dividir com você a sua dor!’. É muito fácil as pessoas aceitarem nossos convites para eventos felizes, como festas, baladas… Mas é nos momentos difíceis que descobrimos quem são nossos verdadeiros amigos, quem realmente gosta de nós.

“Agora, está na hora de você imobilizar seu coração. Deixe ele bem quietinho, para que volte ao normal. A gente sabe que vai demorar. Mas, se ele ficar exposto, vai levar muito mais tempo. Se você se concentrar na dor que está sentindo, ela vai ser muito maior…”

Ray: toda história tem um fim. Mas, na vida, cada final é apenas um novo começo. (Grande menina, pequena mulher).

Shadow: Você aprendeu tudo que precisa saber. Agora, só tem que aprender a dizer adeus. (A incrível jornada)

Com o tempo, aprendi que cada momento é único. Cada passo dado pode mudar a minha sinopse. Demorei para entender que o mundo não é um grande cinema. Lá, a história acaba quando a luz acende. Aqui, não existe apenas um final. Existem vários. Alguns deles são felizes. Outros não.

Você pode comprar o livro nos sites:

Se preferir, você pode comprar o box completo nos sites:

Resenha: Fazendo meu filme 2 – Fani na terra da Rainha

Olá, pessoas! Como estão? Eu me preparando para voltar a rotina após minhas pequenas “férias” pós cirúrgicas hahaha.

Dando continuidade as resenhas da série Fazendo meu filme, hoje é a vez do segundo livro: Fani na Terra da Rainha.

resenha-fazendo-meu-filme-2-fani-na-terra-da-rainha

Depois de descobrir que está apaixonada por seu melhor amigo Leo, Fani começa a repensar seu intercâmbio para a Inglaterra. Claro que mesmo querendo desistir, sua família não permite que ela cancele a viagem por uma paixão adolescente. Depois de tentar se afastar de Fani, Leo percebe que não consegue esquece-la e mesmo relutando, vai até o aeroporto para se despedir de seu amor depois de descobrir que o sentimento de Fani é reciproco.

Fani embarca para a terra da rainha, mas não viaja inteira. Uma parte sua ficou em Belo Horizonte e ela sabe que não será fácil encarar o ano que está pela frente. Quando uma cartomante falou para ela que sua viagem seria sofrida, não imaginou que seria tanto.

Fani chega na Inglaterra querendo voltar, não consegue se adaptar direito, sente falta da família, dos amigos, do Leo. Além de todos esses sentimentos, ainda sente uma grande dificuldade com o inglês britânico. Entre altos e baixos que seguem os primeiros momentos dela no exterior, desesperada para voltar ao Brasil, ela recebe notícias de que seu grande amor seguiu em frente e arranjou uma nova namorada.

Arrasada e de coração partido, Fani resolve não interromper seu intercâmbio e aproveitar ao máximo o ano que tem pela frente, pois percebe que essa é uma oportunidade que não deve jogar fora. Aos poucos vai se habituando à nova família, à cidade, faz novos amigos, consegue se divertir e também conhece um rapaz muito simpático, o brasileiro Christian, que se esforça muito para roubar seu coração.

O ano passa mais rápido do que ela imagina e logo já está arrumando as malas para voltar ao Brasil. E agora, será que sua vida em Belo Horizonte continuará igual quando ela partiu? Será que um ano não é tempo demais? Terá espaço para Fani ainda na vida de seus amigos, sua família, na vida de Leo?

O livro é muito foto, gostei mais do que o primeiro, como já falei na resenha passada. Consegui rir bastante também. Confesso que em alguns momentos a imaturidade da Fani acabou me irritando, porque me desculpem os românticos, mas uma paixão adolescente não pode fazer com que a gente desista de algumas oportunidades únicas que aparecem na nossa vida. Pode ser o amor da nossa vida? Claro que sim, mas um ano longe não mata ninguém, pelo menos quando o amor é verdadeiro. Enfim, o livro vale super a pena. Assim como o primeiro, cada capítulo também se inicia com frases de filmes, o que eu achei bem legal.

Trila sonora do livro:

 

Frases do livro:

 

Halley: Você tem que aprender a andar. Você tem que aprender a falar.Você tem que usar aquele chapéu totalmente ridículo que sua vó comprou pra você. Sua opinião não conta. E quanto você cresce um pouco, mesmo que possa escolher os seus chapéus,  você não pode escolher quando se apaixonar. Algumas coisas acontecem e você tem que aceitá-las. (Meu novo amor)

Porque, com certeza, eu não teria como aceitar a amizade oferecida por ele  no final da carta. Eu não queria nenhum premio de consolação. Já sabia o que era tê-lo mais do que como amigo. Os sentimentos tinham ido longe demais para voltar atrás. E – certamente – eu não estava preparada para vê-lo com ninguém.

Toni: Eu não sei como dizer o que eu quero te dizer, por isso eu estou escrevendo. Quando eu te vejo eu não consigo tirar os meus olhos de você. Eu desejo ter os seus braços em volta de mim… E sentir o seu corpo contra o meu. Eu sei que você não sente o mesmo… E é por isso que eu não tenho coragem de assinar. Mas eu te amo mais do que as palavras podem dizer. (Admiradora secreta)

“Morno” é uma palavra que não podemos aplicar a esse seu ano no exterior. Todos os seus momentos transbordam intensidade. E não seria assim a forma como deveríamos sempre viver? Fazendo cada minuto valer, em vez de deixar o relógio funcionar inutilmente?

Daphne Reynolds: A verdade é que algumas vezes as coisas não são exatamente como você sempre imaginou… elas são ainda melhores! (Tudo que uma garota quer)

Eu me sinto diferente. Deixei de querer me esconder atrás da minha mãe a cada vez que uma situação exige que eu tome uma decisão, aprendi a entender melhor os meus sentimentos e agora eu sei que o medo nunca deve nos impedir de tentar o que quer que seja. A coragem sempre é recompensada. E quanto maior é a ousadia, melhor é a realização.

E vocês, já leram a série?

Espero que tenham gostado 🙂

Beijos e bom início de semana.

Você pode comprar o livro nos sites:

Amazon

Americanas

Saraiva

Submarino

Se preferir, você pode comprar o box completo nos sites:

Americanas (em promoção)

Saraiva (em promoção)

Submarino (em promoção)