Olá, pessoas! Tudo bem com vocês?

Comigo tudo ótimo porque hoje entro em férias!!!! \o/\o/ hahaha.

1o-de-dezembro-em-dia-mundial-de-1

Enfim, hoje resolvi fazer um post no estilo do que o pessoal fez no Outubro Rosa e no Novembro Azul, que eu achei sensacional, por sinal, mas como eu não tinha livros dessas cores na estante acabei não participando. Mas estava dando uma olhadinha por aqui ontem e vi que algumas lombadas eram vermelhas! Por isso resolvi fazer dessa vez. Apesar de que olhando depois alguns tem mistura de outras cores ou metade das capas de outra cor, de qualquer forma eu coloquei eles na minha lista porque eu gostei hahaha. Espero que não se importem.

livros-dezembro-vermelho

E porque Dezembro Vermelho? Porque dia 1º de Dezembro é o dia Mundial do Combate a AIDS e eu acho que é um tema que ainda deve ser muito discutido, pois infelizmente, os números da doença continuam crescendo, ano após ano, principalmente entre os jovens.

Um pouco sobre a data:

“Combate ao Preconceito e ao Estigma”

Transformar o 1º de dezembro em Dia Mundial de Luta Contra a Aids foi uma decisão da Assembléia Mundial de Saúde, em outubro de 1987, com apoio da Organização das Nações Unidas – ONU. A data serve para reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas pelo HIV/Aids. A escolha dessa data seguiu critérios próprios das Nações Unidas. No Brasil, a data passou a ser adotada a partir de 1988.

O preconceito e a discriminação contra as pessoas vivendo com HIV/Aids são as maiores barreiras no combate à epidemia, ao adequado apoio, à assistência e ao tratamento da Aids e ao seu diagnóstico. Os estigmas são desencadeados por motivos que incluem a falta de conhecimento, mitos e medos. Ao discutir preconceito e discriminação, o Ministério da Saúde espera aliviar o impacto da Aids no País. O principal objetivo é prevenir, reduzir e eliminar o preconceito e a discriminação associados à Aids. O Brasil já encontrou um modelo de tratamento para a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, que hoje é considerado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) uma referência para o mundo. Agora nós, brasileiros, precisamos encontrar uma forma de quebrarmos os preconceitos contra a doença e seus portadores e sermos mais solidários do que somos por natureza. Acabar com o preconceito e aumentar a prevenção devem se tornar hábitos diários de nossas vidas.*

Os livros escolhidos foram:

  • Desventuras em Série 2 – A sala dos répteis – Lemony Snicket
  • Fazendo meu filme 2 – Paula Pimenta
  • Entrevistas – Clarice Lispector
  • Como a música ficou grátis – Stephen Witt
  • Cem anos de solidão – Gabriel Garcia Marquez
  • Carolina se Apaixona – Federico Moccia

Entre esses livros, li os quatro primeiros e ainda não li os dois últimos. Já fiz a resenha do livro do Stephen Witt (está linkado, caso alguém tenha interesse). Carolina se apaixona é o único do Federico da minha estante que ainda não li, mas está na lista de 2016. Cem anos de solidão confesso que não tenho previsão de ler, só tenho ele porque ganhei, então se alguém leu e quiser me empolgar para lê-lo, eu agradeceria hahaha.

Logo farei a resenha do Fazendo meu filme 2, mas como eu ainda não li o 1 e comprei o box com os 4 agora na Black Friday vou esperar para fazer. Ansiosa para chegar!!!

 

Vou por a sinopse dos livros para quem se interessar.

desventuras em serie a sala dos repteis

Lemony Snicket é um autor que não pode ser acusado de falta de franqueza. Sabe que nem todo mundo suporta as tristezas que ele conta e por isso – para que depois ninguém reclame – faz questão de avisar: “Se você esperava encontrar uma história tranqüila e alegre, lamento dizer que escolheu o livro errado. A história pode parecer animadora no início, quando os meninos Baudelaire passam o tempo em companhia de alguns répteis interessantes e de um tio alto-astral, mas não se deixem enganar…”.
Os Baudelaire têm mesmo uma incrível má sorte, mas pode-se afirmar que a vida deles seria bem mais fácil se não tivessem de enfrentar o tempo todo as armadilhas de seu arquiinimigo: o conde Olaf, um homem revoltante, gosmento e pérfido. Em Mau Começo ele deu uma pequena amostra do que é capaz de fazer para infernizar a vida de Violet, Klaus e Sunny Baudelaire – e aqui as coisas só pioram.

FAZENDO_MEU_FILME_2_Depois de conquistar milhares de leitores e leitoras, a nossa doce e querida Fani volta ainda mais divertida e encantadora. O segundo volume do livro Fazendo meu filme apresenta as aventuras de Estefânia Castelino Belluz na terra da rainha. Sim, na Inglaterra! Longe do grande amor, ela passa por momentos de alegria, dor, saudade, tristeza e, mais do que isso, pode conhecer melhor a si mesma. Sem deixar de lado suas amigas inseparáveis e sua família, ela consegue, no outro continente, viver momentos cheios de suspense, revelações, aventuras, descobertas e emoções fortíssimas! Feliz, triste, preocupada, ansiosa, temerosa, otimista, insegura, cheia de si, apaixonada, desiludida, seja como estiver, Fani mostra a cada página deste livro que não é mais aquela menina tão frágil que muitas vezes se escondia por trás de sua timidez.
Mais do que a história de uma adolescente que se encoraja a fazer intercâmbio e morar fora por um ano, este livro fala de um grande e delicado amor. Em meio a uma avalanche de sentimentos e acontecimentos surpreendentes, ela consegue viver intensamente na Inglaterra, conhecendo pessoas que conquistam seu coração e sua amizade para toda a vida. Porém, o melhor filme de sua vida ainda está para ser contado, ou melhor, vivido.

ENTREVISTAS-clarice-lispector

Sob a simplicidade enganadora do título, Entrevistas congrega um interessantíssimo conjunto de conversas de Clarice Lispector com as grandes personalidades brasileiras de seu tempo, com a participação especial de um grande amigo e entusiasta do Brasil, o Prêmio Nobel de Literatura Pablo Neruda. Quando começo a fazer entrevistas, Clarice já era escritora consagrada, admirada e respeitada por seus entrevistados, circunstância que permitiu que imprimisse a cada uma das conversas o tom de prazeroso diálogo entre personalidades criativas emprenhadas em compartilhar suas respectivas visões de mundo. Este é um livro que desvela tanto a alma dos célebres entrevistados quanto a da escritora-entrevistadora, que não hesitava em abrir seu coração.

O que acontece quando uma geração inteira comete o mesmo crime? Uma trama impressionante envolvendo músicacomo a musica ficou gratis, crime, dinheiro e obsessão, cujos protagonistas são magnatas, pesquisadores respeitados, criminosos e adolescentes nerds fissurados em tecnologia. Em Como a música ficou grátis, o jornalista Stephen Witt investiga a fundo a história secreta da pirataria de músicas na internet, partindo dos engenheiros alemães criadores do mp3, passando por uma fábrica de CDs na Carolina do Norte da qual um funcionário chamado Dell Glover vazou cerca de dois mil álbuns ao longo de uma década e também pelo centro de Manhattan, onde o executivo Doug Morris dominou o mercado mundial do rap, e depois se aprofundando pelos redutos mais obscuros da web até um site ilegal quatro vezes maior que a loja do iTunes. Por meio desses personagens, o autor constrói uma narrativa empolgante, remontando ao momento em que a vida comum se imbricou irreparavelmente com o mundo virtual, quando de repente todas as músicas já gravadas foram disponibilizadas de graça na internet. Seguindo a tradição de escritores como Michael Lewis, Witt nos apresenta figuras inesquecí- veis — inventores, executivos da indústria fonográ- fica, operários e ladrões — que transformaram toda uma forma de arte e revela o submundo dos piratas de mídias que revolucionaram o universo digital. Uma história nunca antes contada de ganância, astúcia, genialidade e fraude, Como a música ficou grátis não é apenas um livro sobre a indústria fonográfica — é uma leitura obrigatória sobre a constru- ção da própria internet.

cem anos de solidão“Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano Buendia havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer a fábrica de gelo”… Com essa frase antológica, García Marquéz, Prêmio Nobel de Literatura de 1982, introduz a fantástica Macondo, um vilarejo situado em algum recanto do imaginário caribenho, e a saga dos Buendia, cujo patriarca, Aureliano, fez trinta e duas guerras civis… e perdeu todas.
García Marquéz já despontava como um dos mais importantes escritores latino-americanos, no início da década de 1970, quando Cem anos de solidão começou a ganhar público no Brasil. O livro causou enorme impacto. Na época, o continente estava pontilhado de ditaduras. Havia um sentimento geral de opressão e de impotência. Então, essa narrativa em tom quase mítico, em que o tempo perde o caminho, em que os episódios testemunhados e vividos acabam se incorporando às lendas populares, evoca nos leitores uma liberdade imemorial, que não pode ser arrebatada. E tão presente. Tão familiar e necessária.
Em Macondo, os mortos envelhecem à vista dos vivos e os anjos chegam, sempre, em dezembro. Entretanto, García Marquéz nunca aceitou que suas narrativas fossem rotuladas como fantasia. Talvez porque isso exilasse Macondo num outro mundo, que nem a solidão ou a liberdade pudessem alcançar. Cem anos de solidão é a mais pura história do povo latino-americano. Mas ultrapassa o momento e expõe a alma dessa história – ou como é vivenciada.

Carolina tem catorze anos de idade. Vive um momento mágico em sua vida. carolina se apaixonaAs amigas, sempre por perto. E os sonhos, quantos sonhos! E há os primeiros beijos roubados no escurinho do portão. E sempre aquela música que surge no momento certo. Festas, escola, brincadeiras, mas também existem as provas e outras coisas de gente grande. A avó é maravilhosa e sabe enxergá-la bem longe, lá no fundo de sua alma. Sobre o amor? O que se sabe? O que se vive? Como é realmente o amor? Talvez ele tenha os olhos de Massimiliano? O amor é aquilo? Quem sabe… Mas Carolina perdeu o celular, e com ele tudo o que sabia sobre o rapaz. Mesmo assim, ela não tem dúvidas de que conseguirá reencontrá-lo. Enquanto isso, sonha chegar bem perto da nuvens. E a vida transcorre sem preocupações. Entre as aventuras de cada dia e as sombras do convívio familiar não paira nem de longe a suspeita e a desconfiança. O seu coração está sempre acelerado a cada afeto que se abre e se transforma em esperança pelo futuro. E há uma estrada infinita diante dela que convida a seguir caminhos desconhecidos. Carolina está pronta para ser feliz.

É isso, espero que tenham gostado da minha seleção não tão vermelha. E vamo se cuidar né, galera?

Beijos e bom final de semana para vocês.

*fonte

Sites seguros para comprar livros:
Submarino
Americanas
FNAC
Saraiva
Dezembro Vermelho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *