Série: Compreendendo o Tesouro Direto -5

Essa série teve início no nosso Instagram (já seguiu lá? @blogapenasimagine) e resolvemos postar por aqui também porque os textos ficaram muito grandes para o caption do Instagram, assim, facilita a leitura:

Continuando nossa série do Tesouro Direto, hoje vamos falar sobre a reserva de emergência e onde investir. Complementando com uma das dúvidas que recebemos: Qual é o melhor investimento para a reserva de emergência, Tesouro Selic, Nuconta da Nubank ou CDB de banco?

➡️ Então vamos começar com o conceito de reserva de emergência: A reserva de emergência serve para você ter segurança, podendo assim, investir para seu futuro sem se preocupar com o que pode acontecer de errado no presente. A reserva serve para: motivos de doença, cirurgias, carro quebrou, estragou algo da casa, etc. Não é para gastos que normalmente não são urgentes como roupas, sapatos e viagens.

➡️ E qual o valor ideal para minha reserva? Isso depende! Alguns especialistas apontam de 3 a 6 meses, outros no mínimo 6 meses, há quem diga 12 meses do seu custo de vida. Eu costumo sugerir para meus alunos que façam a reserva com um valor que faça com que você se sinta confortável e tranquila.

➡️ ➡️ Informação importante: a reserva precisa ser baseada no seu custo de vida e não no quanto você ganha! Como assim? Se você ganha R$2.000 e consegue viver com R$1.000, seu custo de vida é de mil reais, agora se você gasta tudo que ganha ou até mais, temos um problema aí! Porque seu custo de vida está indo além do que você pode pagar. Então alguém que ganha mil reais e quer guardar 6 meses, pode ter uma reserva de seis mil reais.

➡️ Esse dinheiro precisa estar em algum local seguro e de fácil acesso. Na reserva precisamos ter segurança e não buscar grandes ganhos monetários, por isso, investimentos destinados à reserva normalmente rendem menos.

➡️ Então qual o melhor local para minha reserva: TD Selic, Nuconta ou CDB de liquidez diária?

Isso também depende. Se considerarmos que hoje o Tesouro zerou a taxa de custódia da B3 (que é de 0,3% ao ano, mas lembrando que ainda incide em cima dos outros títulos) para quem tiver menos de 10 mil reais, isso fez com que o Selic voltasse a ser atrativo. Mas segundo o Tesouro Nacional, se por acaso você tiver R$11.000 reais, a taxa vai incidir apenas em cima dos mil reais excedentes e não no montante completo, ou seja, isso permite que você tenha mais dinheiro nessa aplicação.

➡️ Basicamente se estivermos falando de um CDB 100% do CDI, não fará diferença qual dos três investimentos você escolher, porque todos vão render a mesma coisa: a Selic over (agora 2,15% a.a).

➡️ A diferença está na forma de resgate do dinheiro de cada uma dessas modalidades, no tesouro, como vimos anteriormente, não permite resgate aos finais de semana e feriados, além de ter que esperar um dia útil para ter acesso ao dinheiro. Alguns CDBs possuem essa mesma política, vai depender de onde você vai investir e teria que verificar essas informações. Mas isso só ocorre em CDB de LIQUIDEZ DIÁRIA, outros CDBs você só tem acesso ao dinheiro na data de vencimento e não, não pode tirar o dinheiro antes do prazo. Tome cuidado com isso.

➡️ Basicamente, na minha opinião, a Nuconta fica mais prática para ter acesso (pois dá pra sacar no caixa, mas com taxa de R$6,50). PORÉM, se você for uma pessoa que não pode ver dinheiro que quer gastar, sugiro que proteja o dinheiro de você mesma e coloque em alguma modalidade que o acesso seja um pouco “mais difícil”.

➡️ Outra informação importante, é verificar se o banco atrelado ao CDB oferece a proteção de crédito do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que devolve o valor para o investidor (até R$250.000 por CPF) caso o banco quebre. O Tesouro tem a garantia soberana do país, você não precisa se preocupar, e a Nuconta com investimentos realizados em RDB estão cobertos pelo fundo.

Mas se você tiver medo, pode deixar uma parte em cada investimento por garantia.

Está gostando da série? Diga o que está achando aqui nos comentários. Não se esqueça de compartilhar com todos os seus amigos e vamos espalhar a informação!

Série: Compreendendo o Tesouro Direto -4

Essa série teve início no nosso Instagram (já seguiu lá? @blogapenasimagine) e resolvemos postar por aqui também porque os textos ficaram muito grandes para o caption do Instagram, assim, facilita a leitura:

Continuando a série do Tesouro Direto respondendo as dúvidas: qual a diferença entre investir no Tesouro e investir na Corretora? E, tenho pouco dinheiro, qual o valor mínimo de investimento no TD?

➡️ Diferença entre investir no TD e investir na Corretora:

Como falamos anteriormente, os títulos são escrituras emitidas pelo Tesouro Nacional, então na verdade você não está investindo na Corretora e sim no Tesouro Direto.

➡️ Mas então qual é o papel da corretora nessa história?

A Corretora serve apenas como uma ponte para o seu investimento. Independente de você comprar pela Corretora X ou Y, você está investindo no Tesouro por meio dessa ponte. Então você pode ficar tranquila(o) porque se a Corretora de Valores que você escolheu quebrar, seu dinheiro continua muito bem investido.
Mas é importante pesquisar bem quais são as principais corretoras, pois se escolhermos uma corretora meio duvidosa, nunca se sabe né? Então é importante acessar o site da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e verificar se a corretora está devidamente cadastrada, pois é a CVM que regulamenta todas essas empresas, assim como o Banco Central regulamenta os bancos.

Falando em bancos, atualmente a maioria dos bancos grandes (Banco do Brasil, Itau, etc) zerou as taxas para investimentos no Tesouro. Então para saber qual é o melhor meio para começar a investir, é interessante ver onde você terá o MENOR CUSTO DE TAXAS (exemplo: taxa de Ted, Doc, taxa de investimentos, etc) qualquer tipo de taxa atrelada que pode ser cobrada.

➡️ Tenho pouco dinheiro, consigo investir?

Sim, você pode investir com pouco dinheiro. Na verdade, o valor mínimo de investimento vai depender de qual título escolher. Cada um deles tem um valor diferente.
Todos os títulos são vendidos em sua totalidade (valor maior) ou em frações, a fração mínima que se pode comprar é 1% do título, então o valor mínimo será referente a 1%.

➡️ Usando exemplo dos valores disponíveis no dia 26/07:

➡️ Tesouro Selic 2025: Preço unitário (título inteiro) está R$10.655,01, isso significa que o valor mínimo de investimento dele é de R$106,55. A rentabilidade será a taxa Selic e seu vencimento em 01/03/2025. Mas lembrando que esse título você pode pegar o dinheiro quando quiser.

Outro exemplo:

➡️ Tesouro PREFIXADO 2026: Valor unitário (total) é de R$728,08, então você pode investir com valor mínimo de 36,40. Rendimento anual de 6,02%. Vencimento do título é em 01/01/2026. Esse título sofre marcação a mercado, o ideal é escolhê-lo apenas se o prazo que você precisa do dinheiro for próximo dessa data.

 

➡️ Informação importante: a taxa atrelada a todos os títulos sofre alterações diárias, conforme explicado na postagem anterior, isso significa que cada vez que você fizer uma nova compra, seu dinheiro vai render outra taxa de juros. Ou seja, se eu comprar 100 reais com a taxa de 6,02% esses 100 vão render isso, no mês seguinte eu comprei 200 reais a uma taxa de 7%, então meu dinheiro vai render: 100 reais à 6,02% + 200 reais à 7%. Assim como o IR incide baseado na data de compra, o mesmo ocorre com o rendimento (exceto quando se trata de Tesouro Selic).

➡️ Outra informação importante, você só consegue comprar FRAÇÕES dos títulos, ou seja, sempre vai ser um dinheiro quebrado, dificilmente você vai conseguir comprar 100 reais exatos, o valor fica quebrado, tipo 98,99. É bom sempre fazer o cálculo pra saber quantas cotas vai conseguir comprar.

Na próxima postagem vamos falar sobre reserva de emergência e onde é melhor investir: Tesouro Selic, Nubank ou CBD?

Está gostando da série? Diga o que está achando aqui nos comentários. Não se esqueça de compartilhar com todos os seus amigos e vamos espalhar a informação!

Série: Compreendendo o Tesouro Direto -3

Essa série teve início no nosso Instagram (já seguiu lá? @blogapenasimagine) e resolvemos postar por aqui também porque os textos ficaram muito grandes para o caption do Instagram, assim, facilita a leitura:

Mais uma postagem da nossa série sobre o Tesouro Direto!

  • Hoje vamos entender os nomes dos títulos públicos oferecidos e também o que são aqueles números todos.

➡️ Tesouro Selic: É o título atrelado a taxa Selic, por isso tem este nome. Ele sempre vai render a Selic Over, que é um valor um pouco abaixo da Selic Meta. A Selic Meta é o valor que vemos nos noticiários (2,25%), isso significa que a Selic Over está rendendo 2,15%). Esse é o título ideal para quem está querendo montar a reserva de emergência.

➡️ Tesouro PREFIXADO: Os títulos prefixados são aqueles que possuem uma taxa de juros de rendimento anual, ou seja, se eu compro um título hoje com rendimento de 5% a.a, meu dinheiro vai render esse valor até o prazo final dele, independente do valor da Taxa Selic e do IPCA.

➡️ Tesouro IPCA+: esses títulos possuem duas rentabilidades, uma é atrelada a taxa de juros acordada no dia da compra (exemplo: 5%) e outro ao IPCA. O que isso significa? Que se você comprar esse título hoje, e ao final do prazo a média do IPCA foi de 5% também, seu título terá rendido 10% a.a. Pra que ele serve? Para proteger nosso dinheiro da inflação, pois ele sempre irá render mais do que a inflação do período. Ou seja, seu dinheiro não vai perder valor de compra com o passar dos anos. Esses títulos são bons para quem tem metas de médio e longo prazo. São títulos ideais para quem pensa em investir para a aposentadoria.

➡️ Tesouro IPCA+ com juros semestrais: Assim como o título anterior, esses títulos têm a mesma característica de rentabilidade, atrelada a uma taxa de juros prefixada + uma variável do IPCA. Mas a diferença é que a cada 6 meses, a rentabilidade desse dinheiro cai na sua conta, por isso ‘juros semestrais’. Esses títulos são bons para quem já está usufruindo da aposentadoria, então assim, consegue aportar o montante acumulado para a aposentadoria e usar os juros semestralmente. Para ter uma renda constante, o ideal é ver quais as datas de pagamento de cada um deles, assim é possível se organizar para receber a cada 2 ou 3 meses. Para quem está iniciando os investimentos para aposentadoria esse título não é interessante porque a cada 6 meses você “volta a estaca 0”, ou seja, a cada 6 meses os rendimentos caem na conta e o dinheiro começa a render novamente em cima do montante inicial, com isso, não é possível ter a ação dos “juros sobre juros” a longo prazo.

  • Ok, agora eu entendi a função de cada um deles, mas o que são esses números que tem no final?

O número que tem ao final de cada título é o prazo final dele. Ou seja, se eu investir no Tesouro Prefixado 2023, em janeiro de 2023 meu dinheiro volta para a corretora acrescido de juros. Por isso é importante escolher o título baseado no prazo que você vai precisar do dinheiro, para tentar mantê-lo no investimento até o final.
Mas e se eu precisar do dinheiro antes? Não vou poder resgatar? Pode resgatar sim! Mas é importante você saber que todos os dias o TD faz alterações nos preços dos títulos e nas taxas de juros de rendimento, então se você fizer uma venda nesse meio tempo você precisa ficar atendo à marcação a mercado. O que é isso? É como chamamos essas flutuações de preços dos títulos, ISSO PODE SIM FAZER COM QUE VOCÊ PERCA DINHEIRO. Então fique atendo! Se você acha que vai precisar do dinheiro, é melhor colocar em Tesouro SELIC porque ele não sofre com essa marcação.

Então dica importante:

➡️ Se o objetivo é reserva de emergência ou poder tirar o dinheiro a qualquer momento (mas não se esqueça do prazo que demora para ter o dinheiro de volta na conta, conforme explicamos anteriormente): Tesouro Selic.

➡️ Se você quer juntar dinheiro para uma meta de curto/médio prazo: Tesouro PREFIXADO (dependendo da data, pode ser o IPCA+ também)

➡️ Se o objetivo é a aposentadoria: Tesouro IPCA+.

Vale destacar que os títulos param de ser ofertados para novas compras 2 anos antes do prazo de vencimento, então precisa ficar atento a isso. O dinheiro que estava lá vai continuar rendendo normalmente, mas você não poderá fazer novos aportes.

Está gostando da série? Diga o que está achando aqui nos comentários. Não se esqueça de compartilhar com todos os seus amigos e vamos espalhar a informação!

#tesouroprefixado #tesouroselic #tesouroipca #tesourodireto #investimentos #dinheiro #financaspessoais #liberdadefinanceira #educacaofinanceira

Série: Compreendendo o Tesouro Direto -2

Essa série teve início no nosso Instagram (já seguiu lá? @blogapenasimagine) e resolvemos postar por aqui também porque os textos ficaram muito grandes para o caption do Instagram, assim, facilita a leitura:

Vamos continuar falando sobre Tesouro Direto?
Hoje vamos entender um pouco sobre as algumas palavras vistas quando se trata de investimentos no Tesouro Direto:

➡️ Taxa SELIC: é a taxa básica de juros da economia. Rege o valor base de juros em várias coisas, desde investimentos, até financiamento de carro, casa, etc. A cada 45 dias o COPOM decide se manterá o valor da Taxa ou se ela sofrerá alterações. Há alguns meses vemos nos noticiários que ela está em declínio. Hoje temos a taxa mais baixa da história (2,25%). Isso é bom para quem está endividado, pois pode renegociar as dívidas, mas é ruim para investidores porque os investimentos atrelados a taxa Selic passam a render menos. Atualmente a taxa está baixa para incentivar as pessoas a comprarem mais, fazendo nossa economia voltar a girar (e crescer).

➡️ IPCA: Sigla do Índice de Preços ao Consumidor Amplo, é medido mensalmente pelo IBGE, foi criado com o objetivo de oferecer a variação dos preços no comércio para o público final. O IPCA é a nossa tão conhecida inflação. Isso significa que todos os investimentos atrelados ao índice, vão estar “protegidos” da inflação, ou seja, seu dinheiro não perderá poder de compra com o tempo.

➡️ Juros Compostos: é a adição de juros ao valor principal que você colocou no seu investimento, o famoso “juros sobre juros”. É o poder dos Juros compostos que vão fazer os seus R$1.000 virarem R$10.000 depois de um certo tempo. Mas calma, antes de achar que o TD vai multiplicar rápido assim o seu dinheiro, é preciso conhecer a Taxa de Juros.

➡️ Juros e Taxa de Juros: é a remuneração cobrada pelo empréstimo de dinheiro (isso vale para investimento ou dívida). É expresso como um percentual sobre o valor investido (taxa de juro). Ou seja, se o investimento está rendendo 7% a.a, ao final do prazo, meu montante terá rendido 7% todos os anos pois foi minha taxa acordada na compra do investimento.

➡️ Liquidez: corresponde à facilidade com a qual o seu investimento vai retornar para sua conta. Nos investimentos temos vários prazos de liquidez: diária (quando o resgate do dinheiro cai no mesmo dia) e os D+. Quando o investimento diz que é D+1, significa que ele cairá no dia subsequente ao pedido de resgate. No TD é:

Resgate em dias úteis (0h00 às 18h00): a partir das 13h do 1º dia útil após a solicitação de resgate;

Resgate em dias úteis (18h00 às 0h00), finais de semana e feriados: a partir das 13h do 2º dia útil após a solicitação de resgate;

➡️ Imposto de Renda: Os valores cobrados na renda fixa são parecidos e possuem alíquota regressiva de acordo com o prazo que foi investido:

  • 22,5% resgate feito até 180 dias
  • 20% resgate feito até 181 a 360 dias
  • 17,5% resgate feito de 361 a 720 dias
  • 15% resgate feito após 721 dias.

O pagamento do IR é feito pelo próprio Tesouro, chamamos de “recolhido na fonte”, então quando fizer sua declaração anual, não será cobrado novamente. O IR incide em cima do RENDIMENTO e não do montante total aplicado.

➡️ IOF: Importante dizer que investimentos resgatados com menos de 30 dias sofrem cobrança de o Imposto Sobre Operações Financeiras além do IR, a alíquota também é regressiva.

➡️ Mais taxas? Sim, além de IR e IOF, os investimentos no Tesouro tem a cobrança de custódia da B3, mas é um valor baixo, de apenas 0,3% anual, que incide 2x ao ano, ou seja, 0,15% no começo do ano e 0,15% na metade do ano. Normalmente sua corretora envia um email avisando sobre isso. O valor a ser pago depende do valor que você tem investido.

➡️ E o Risco? Não precisa se preocupar com isso! O Tesouro Direto é o investimento mais seguro do país! Mesmo que você não goste e/ou não confie no governo pode ficar tranquilo, porque se o Tesouro quebrar, meu querido, teremos problemas muito maiores pra nos preocupar caso o país chegue a esse ponto! Pode confiar que é muito seguro.

Não se esqueça que todos os dias, até sábado, teremos uma postagem por aqui sobre o tema!

Ainda não mandou sua dúvida? Comenta aqui embaixo !

Série: Compreendendo o Tesouro Direto -1

Essa série teve início no nosso Instagram (já seguiu lá? @blogapenasimagine) e resolvemos postar por aqui também porque os textos ficaram muito grandes para o caption do Instagram, assim, facilita a leitura:

Vamos falar sobre Tesouro Direto?

Vocês pediram e nós vamos descomplicar o assunto para vocês!

Serão 6 postagens falando sobre o tema, com as principais dúvidas enviadas por vocês na nossa caixinha de perguntas dos stories.

  • Vamos começar com a primeira dúvida: O que é exatamente o Tesouro Direto?

Mas antes de começar a falar do Tesouro Direto, deixa eu apresentar para vocês o Tesouro Nacional. Basicamente, o Tesouro Nacional é o caixa do Governo, ou seja, é o órgão público responsável pelo gerenciamento da dívida pública do Brasil. A partir de 1988 passaram a exercer atividades relacionadas ao fomento e administração da dúvida do país por meio de captação de recursos do mercado financeiro, através de títulos públicos. Mas naquela época, esses títulos só podiam ser comprados por instituições financeiras por meio de leilões.

Aí surgiu o Tesouro Direto. Em 2002 a Secretaria do Tesouro Nacional junto com a BM&F Bovespa (atual B3 – Bolsa de valores) se uniram para desmocratizar a compra e venda de títulos públicos federais para pessoas físicas. Assim, surgiu o Tesouro Direto.

Os títulos vendidos pelo Tesouro são ativos de Renda Fixa e emitidos pelo Tesouro Nacional em forma de escritura eletrônica, com o intuito de financiar o déficit orçamentário geral da União e as dívidas públicas. Ou seja, quando você compra um Título Público, você está ajudando a financiar as obras e dívidas do Governo, e por fazer isso, o Governo te devolve o dinheiro um tempo depois acrescido de juros. Por exemplo: você investiu R$1.000,00 em 20 de julho de 2020 e vai retirar R$1.330,00 em 30 de janeiro de 2023.

Para saber o quanto de dinheiro você vai resgatar daqui a algum tempo, tudo depende do título que você escolher para investir, as taxas, etc. Mas calma que nós vamos explicar cada um dos títulos existentes! Mas antes disso, vocês precisam saber o significado de algumas palavrinhas: Taxa Selic e IPCA+.

Então fica ligado aqui nessa série! Amanhã vamos desvendar a salada de frutas para depois saber quais títulos estão disponíveis.

Ainda não mandou sua dúvida? Comenta aqui embaixo!